Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Confira quais são as 5 tendências de brand experience para 2022

Por: Antonio Cervi. 27 de Março de 2022

Com informações do Campaign.co.uk 

Apesar de ser difícil prever o comportamento durante este prolongado período de incerteza, pois novas variantes de coronavírus continuam presentes, algo se manteve constante: as pessoas querem se conectar umas com as outras e se divertir.

As experiências de marca deste ano fizeram um retorno tão esperado aos eventos presenciais, captaram um sentimento de unidade e exploraram formas de abraçar a tecnologia.

Veja também: As grandes ativações ao redor do mundo

Os objetivos evolutivos das estratégias de marketing da marca continuarão a moldar as experiências enquanto continuamos a nos adaptar ao novo normal.

O portal Campaign.co.uk conversou com uma série de agências de experiência do Reino Unido para identificar cinco tendências que atrairão os consumidores em 2022:

1. Experiências de marca pagas

Tom Gray
Diretor de estratégia, Imagination

Enquanto algumas marcas há muito compreenderam o poder da experiência, para outras este é um novo território a ser explorado. Espere o inesperado, já que as marcas não-tradicionais se baseiam no entretenimento através de experiências de marca.

Eventos mais alinhados e com objetivos mais específicos permitem que as marcas cobrem uma taxa de entrada.

Eles permitem que as pessoas se aproximem da marca, se sintam positivas sobre ela e a considerem de uma maneira totalmente diferente - como no caso da experiência de condução off-road da Land Rover.

A marca de uísque escocês Ardbeg projetou um monstruoso "Ice scream truck" com sorvete disponível com e sem uísque. Foto: Divulgação

Recentemente, vimos o Monopoly e o La Casa de Papel da Netflix criarem experiências do tipo escape room e pop-ups de duração mais curta, como os "Ice Scream trucks" de Ardbeg e a casa assombrada do rum Kraken para o Halloween.

 A casa assombrada do rum Kraken para o Halloween. Foto: Divulgação

As experiências temporárias dão às marcas mais opções e reduzem as barreiras à entrada, já que não exigem um enorme investimento inicial.

De fato, dependendo do modelo, elas podem proporcionar uma forma neutra de relacionamento com as pessoas, bem como criar uma nova troca de valor entre marcas e clientes.

2. A cultura no centro

Bixanne Tam
Produtora artística, XYZ

Colocar a cultura no centro tem tudo a ver com o fato de as marcas serem mais humanas, relacionáveis e emocionalmente inteligentes, o que ajuda a construir conexões genuínas com seu público.

As marcas podem explorar a paisagem cultural de forma mais autêntica ao serem orientadas para a comunidade. Ao ouvir as conversas que acontecem dentro das comunidades, elas podem desempenhar um papel mais ativo no apoio a elas.

As experiências ajudam a preencher a lacuna entre marca e público, elevando as marcas a um nível em que elas podem se tornar parte da conversa em vez de serem forasteiras.

O público deseja que mais marcas comuniquem seus objetivos que se alinhem com seus próprios interesses e valores através de uma lente cultural e quer ver ação e progresso em direção a esses objetivos, não apenas palavras.

Eles querem fazer parte de experiências que desempenham um papel ativo no apoio à cultura e às comunidades, algo que seja duradouro e não apenas pontual.

A mentalidade de "cultura no centro" também está tendo um enorme efeito de repercussão sobre a paisagem das agências internamente. Um passo em direção à diversidade e à inclusão nos aproxima mais da capacidade de expressar autenticamente a cultura através de plataformas de marca. Se a diversidade de pensamento é praticada dentro de uma empresa, ela se reflete através do trabalho que lançamos ao mundo.

É seguro dizer que esta tendência não vai desaparecer e deve ser considerada menos como uma tendência e mais como algo que está mais enraizado no tecido da estratégia criativa de uma marca. 

3. Preparação para o metaverso

Rosh Singh
Diretor administrativo, UNIT9

Ainda não entramos no Metaverso em seu sentido mais verdadeiro. Os mundos virtuais têm crescido em popularidade, mas nos falta a capacidade de nos movermos sem problemas entre eles. Isso, combinado com a adoção em massa de tecnologia wearable, será o verdadeiro momento da decolagem.

Mas, como preparação, as marcas devem explorar os componentes que irão compor o Metaverso: experiências virtuais imersivas, bens digitais, jogos, RA, RV e Design 3D.

Estes são os primeiros passos que as marcas podem dar para se preparar para a atividade do metaverso - temos que lembrar, trata-se menos de antecipar o lançamento de uma nova e brilhante peça de tecnologia e mais de planejamento para a próxima geração de computação.

As marcas também precisam definir qual será seu papel. Elas irão criar e possuir seu próprio ambiente imersivo, ou lançar uma linha de produtos digitais?

Será que elas se envolverão passivamente como anunciantes no metaverso, ou assumirão um papel mais ativo, como fez a Wendy's com seu avatar no Fortnite? As marcas também precisarão considerar sua motivação. Será relevante participar agora com um forte momento de RP? Ou a participação em alguma plataforma emergente que está prestes a dominar? Estas são as perguntas que as marcas agora precisam fazer a si mesmas se quiserem elaborar uma estratégia eficaz que as prepare para o metaverso.

4. Uma fuga surreal

David Roberts
Diretor administrativo, Formroom

Ao lançar espaços físicos em um mundo cada vez mais on-line, o único sentido em fazer isso é quando eles causam um verdadeiro impacto em seu público-alvo e constroem o mundo da marca que se manifestou acima dos limites.

Vemos nosso papel como trazer a identidade da marca ou campanhas publicitárias de uma tela na qual elas geralmente se originam e para o mundo real.

É uma extensão desse mesmo desejo de se conectar a um público, só que podemos levar isso muito mais longe em termos de um envolvimento sensorial total.

O desafio agora é que cada marca tem o desejo e a capacidade de lançar espaços de marca, pop-ups, interiores, assim a expectativa do público é elevada.

Isto faz com que os próprios ambientes consigam levar ainda mais longe em termos do tipo de espaço que podem criar para impulsionar esse nível de escapismo emocional.

Os espaços vão além dos tradicionais "interiores" e se tornam um playground para experiências surreais - como se você tivesse pisado inteiramente em outro mundo e quisesse fazer parte dele. Quando você inclui o avanço da tecnologia que pode proporcionar uma RA e RV cada vez mais realistas, a coisa toda fica ainda mais divertida.

Na prática, agora é simplesmente uma realidade que os espaços físicos que permitem conteúdos sociais trabalham o dobro para o cliente em retorno.

O próprio espaço aproxima o consumidor do coração da marca, enquanto o conteúdo que os fãs geram proporciona um real valor comercial nas garantias de marketing que eles colocam no mundo, geralmente entre aquele exato grupo alvo de pessoas que o cliente está tentando alcançar. 

5. Todos são bem-vindos

Dax Callner
Diretor de estratégia, Smyle

Não estamos vendo apenas um foco crescente nas experiências físicas e digitais da marca combinadas - também percebemos um imperativo social para tornar as experiências mais diversificadas, equitativas e inclusivas.

As marcas querem experiências convincentes que possam ser desfrutadas tanto no mundo real quanto on-line, muitas vezes usando a ativação física como um mecanismo de conteúdo para a criação de experiências virtuais, onde o conteúdo pode ser expandido e personalizado e onde a ressonância pode ser aprofundada através da tecnologia.

Por exemplo, uma grande marca de consumo está procurando trabalhar com criadores dentro de um ambiente físico para conceber experiências interativas e convincentes para o público virtual. Isto nos permitirá proporcionar momentos de alto impacto para todos os participantes, com o benefício adicional de expandir em massa o alcance através do digital.

Um foco DEI também significa que todos devem ter uma grande experiência, independentemente de como participem.

Na maioria de nossos projetos, estamos convidando pessoas de todas as origens a participar. E estamos tomando medidas para garantir que não estamos excluindo ninguém - todos são bem-vindos, desde a tradução do conteúdo até a acomodação de diferenças de aprendizado, deficiências visuais e auditivas, até o pessoal de apoio ao evento.

O futuro das experiências dos consumidores é aberto e acessível a todos, sem públicos de "segunda classe". 

Imagem do topo: Gucci "Circolo Shoreditch" da XYZ, Samsung "3Fold gig" da Mother and Taylor Herring, Velux "The Cube" da Formroom e Hasbro "Monopoly Lifesized" da Selladoor Worldwide.

Tags: global-experiences experiencias-imersivas melhores-da-semana metaverso tendencias-consumo