Este canal é patrocinado por
Este canal é patrocinado por

Comercial do Clube de Criação faz W+K mudar as lideranças

Por: Redação com informações do O Globo.. 13 de Setembro de 2021

Os principais criativos da agência Weiden+Kennedy deixaram a agência após críticas em relação a uma campanha produzida para o Clube de Criação que minimiza eventos trágicos da história da humanidade. 

O filme trata eventos como a escravidão nos EUA ou as Grandes Guerras mundiais como crises que podem ser compensadas com uma reação criativa, como o Blues ou a Bauhaus. 

Chegou konecte-me, o app que está ligando empresas a pessoas. Clique e conheça

Procurada, a agência confirmou a saída dos profissionais Eduardo Lima, Renato Simões, líderes criativos da agência, e da diretora Fernanda Antonelli, mas diz que eles não foram demitidos. O trio divulgou uma nota de despedida.

Eduardo Lima, Fernanda Antonelli e Renato Simões (Foto: Arthur Nobre).

"É hora de partir. Orgulhosos do que construímos nos últimos 5 anos, temos uma agência pronta para a próxima liderança que chega. Agradecemos aos clientes e ao nosso maravilhoso time."

A campanha contrapõe as palavras 'Crise e Crie' e apresenta movimentos artísticos que seguiram às grandes guerras e tragédias da humanidade, apresentadas como “crises”. 

Nessa lógica criativa, a Inquisição do Século XVI teria sido superada pelo Renascimento. A escravidão nos EUA, pelo Blues. A Primeira Guerra, nos deu a Bauhaus e os anos de chumbo no Brasil, a Tropicália. Já a "crise" do surgimento dos supremacistas brancos da Klu Klux Klan ganhou como reação "criativa" o movimento Black Power.

A campanha gerou forte reação nas redes sociais e foi retirada do ar no mesmo dia. A campanha marcaria o início de uma nova gestão no Clube de Criação, liderada por Renato Simões.

"Só faltou a “crise” do holocausto, que em “compensação” tornou “possível” o estado de Israel. E para a crise que vitimou 600 mil mortos apenas no Brasil, qual seria a compensação: a cultura das lives, a explosão dos serviços de streaming???", escreveu Ian Black, CEO da agência New Vegas.

E completou: "O problema maior desse vídeo indigesto e indecente do Clube De Criação e da Wieden + Kennedy é que o prejuízo não ficará com os seus membros ou com a agência que compactou com isso, mas com todas as pessoas pretas que vão protestar publicamente e serão silenciosamente queimadas pelos melindres da frágil mas hegemônica masculinidade branca, que em pleno 2021 relativiza os horrores da escravidão, da guerra e da ditadura, classificando-as como crises e apresentando movimentos artísticos e políticos complexos como consequência compensatória."

O Clube de Criação divulgou uma nota afirmando que a aprovação da campanha foi um “gravíssimo erro” e que contratou uma consultoria de diversidade. 

A entidade, que não tem fins lucrativos, também cancelou a eleição da nova diretoria, que teria chapa única, abrindo a inscrição para novas chapas.

Tags: w-k | agencia